segunda-feira, setembro 19, 2005

GORDURAS PREJUDICAM APRENDIZAGEM


Está confirmado: as gorduras que actualmente as crianças ingerem na sua alimentação diária podem comprometer seriamente a função cognitiva e, consequentemente, as aprendizagens escolares.

Não é apenas a obesidade em si mesma que é prejudicial ao organsimo. Até as crianças magras, que habitualmente comem também muitos produtos saturados de gordura, são susceptíveis de acusarem dificuldades de concentração, raciocínio e memória devidas aos desequilíbrios alimentares.

As gorduras saturadas (que aparecem, por exemplo, nas margarinas, nos bolos, etc) fazem com que os neurónios tenham mais dificuldade no seu trabalho e possam muitos deles ser eliminados devido à produção de radicais livres (substâncias tóxicas que conduzem ao envelhecimento e à morte das células).

Os pais e as escolas devem ser rigorosos na dieta dos alunos. Os excessos de gordura (e não apenas de obesidade) prejudicam o cérebro, lentificam as funções cognitivas e dificultam as aprendizagens.

Uma alimentação equilibrada, com muitos vegetais, água, peixe e alguma carne, deve ser, durante todo o ano lectivo, a dieta daqueles que querem ter sucesso na escola. Para além disso, uma actividade física regular, horas limitadas nos jogos electrónicos e uma agenda bem organizada de actividades, são a base para qualquer esforço intelectual bem sucedido.

Os professores devem alertar os alunos desde a primeira hora para a importância destes factores. E os pais devem estar atentos à situação (para saber mais sobre esta matéria consultar o blogue do Instituto da Inteligência em
www.neurofitness.blogspot.com).