sábado, novembro 26, 2005

ALERTA MÉDICO

PERIGO FRENTE AO COMPUTADOR

Num artigo publicado pela revista Ciência Hoje fomos alertados pela notícia de uma pesquisa realizada com 1.200 pacientes que comprovou que o excesso de exposição ao monitor do computador provoca sintomas de um problema baptizado de Síndrome da Visão do Usuário de Computador, mais conhecida como CVS (Computer Vision Syndrome).

"O grande mal acontece com as crianças, entre 7 e 14 anos, que passam até 14 horas diante dos monitores jogando", alertou o dr. Leôncio Queiroz Neto, oftalmologista do Instituto Penido Burnier de Oftalmologia de Campinas (Brasil), que analisou, durante 18 meses, 880 adultos e 320 crianças. "Muitos nos procuraram para uma consulta de rotina ou porque precisavam trocar o grau dos óculos. Depois de verificar os principais sintomas, constatamos que 75% deles, ou seja, 900 pessoas, apresentavam cefaleia, visão embaciada, olhos vermelhos ou secos, sendo 30% das crianças com a chamada miopia transitória."

Segundo o especialista, a miopia transitória é a dificuldade de enxergar de longe por conta da visão embaciada. Ela pode durar meses ou tornar-se um mal permanente, se os hábitos não forem modificados. "A criança com miopia transitória sente-se bem em frente ao computador, mas, como não vê longe, muitas vezes tem queda no rendimento escolar e os pais só percebem meses mais tarde", diz Queiroz Neto.

O médico afirma que a CVS é resultado da atenção concentrada por certo tempo sempre na mesma distância focal diante do computador. Além disso, as 16,7 milhões de cores geradas pelo monitor de vídeo sobrecarregam com toda esta variação de luminosidade o esfíncter iriano, musculatura que regula a entrada de luz até a retina. “As imagens em pixels exigem que essa musculatura focalize e desfocalize o cristalino milhares de vezes ao dia, o que naturalmente leva ao cansaço visual”, ressalta Queiroz Neto. "Outro problema é o excesso de luminosidade das lâmpadas e da luz natural, que muitas vezes reflectem no monitor e dificultam a visão. Este excesso deve ser evitado, pois as pupilas se contraem e também geram fadiga da visão.”

Para o oftalmologista, a exposição continuada a essas condições de luminosidade e o posicionamento inadequado diante do computador podem formar em longo prazo uma geração de míopes.

Entre os sintomas do CVS está a diminuição da quantidade de lágrima nos olhos, o que provoca uma menor protecção natural. O normal é que, a cada minuto, o indivíduo pisque vinte vezes. Utentes de computador tendem a piscar três a quatro vezes menos por minuto e, com isso, há uma redução de lubrificação. Além do risco de irritação e infecções, o problema pode lesar a córnea, principalmente para aqueles que usam lente de contato ou ficam em ambientes com ar-condicionado.

Tanto entre crianças como entre adultos, bastam duas horas ininterruptas de uso de playstation ou computador para que surjam sintomas do CVS.

De um modo geral, as últimas gerações estão propícias a doenças consideradas novas para medicina (como CVS, dores corporais etc.) devido ao progresso tecnológico e ao padrão de vida contemporâneo, entre eles o acesso ao computador, à televisão e o consumo de comidas do tipo fast-food.

Para amenizar os malefícios dessa actual realidade, os médicos recomendam a velha – mas adequada – solução de “prevenir antes de remediar”. "Procurar piscar mais vezes e respeitar a distância certa – de 60 cm – entre o monitor do computador e os olhos são algumas medidas preventivas, além de usar filtros de protecção", afirma o especialista. "Porém, é indispensável procurar um profissional sempre que aparecerem sintomas como vermelhidão, vista cansada ou dor de cabeça."

Não se esqueça!

A fim de evitar que seus filhos ou alunos prejudiquem os olhos reduza o tempo que eles passam frente a aparelhos como os televisores e os computadores. Obrigue-os também a piscar mais vezes os olhos a fim de os lubrificar melhor (sugestão: 20 vezes por minuto) e a manterem-se a cerca de 60 cm do monitor dos computadores.
Texto de Mário Cesar Filho in Ciência Hoje On-line (adaptado).