segunda-feira, dezembro 05, 2005

PARECEM HIPERACTIVOS

O seu comportamento confunde-nos. Revelam-se agitadas, intranquilas, enfim, hiperactivas. Mas, serão mesmo hiperactivas? Estou a falar de crianças que vivem situações que lhes provocam muioto stress, nervosismo, desassossego, desatenção nas aulas, comportamentos rebeldes. Hoje em dia, a tentação de lhes chamar hiperactivas é muito grande.

A maioria das vezes esta situação é pontual e afecta todas as crianças com maior ou menor gravidade e frequência. Outras vezes, o problema instala-se e tende a manter-se por longos meses, deixando os pais e os professores preocupados. A criança, que antes se revelara estável, é agora uma pessoa intranquila.

Entre outros talvez possam coexistir alguns destes sinais: dificuldade em adormecer, agitação nocturna, alterações no apetite, problemas de concentração, enurese nocturna (eventualmente ecoprese), medos, etc, etc.

Num estudo que realizei nos últimos anos com crianças que manifestavam aqueles (e outros sinais de intranquilidade e agitação) percebi que em todos os casos havia uma relação directa com o ambiente familiar ou tinham ocorrido mudanças e acontecimentos novos nas suas vidas (em muitos casos coexistiam vários problemas). Seleccionei os mais frequentes:

- pais com profissões altamente exigentes e stressantes;
- pais com pouca disponibilidade para dar atenção e dialogar com os filhos;
- pais com mau relacionamento entre si e problemas conjugais diversos;
- pais separados/divorciados;
- perturbação de natureza psicológica e comportamental num dos pais (transtorno de humor,
problema de personalidade, alcoolismo, etc);
- dificuldades de adaptação na escola;
- excesso de TPC (trabalhos escolares);
- excesso de tempo dedicado a brinquedos electrónicos, especialmente jogos;
- excesso de tempo em casa sem possibilidades de brincar no exterior;
- excesso de tempo na escola e em actividades escolares;
- poucos amigos fora do espaço da escola;
- problemas de solidão e sofrimento psicológico não resolvidos;
- medos e perturbações de ansiedade (baixa auto-estima, insegurança, etc)
- dificuldade em lidar com eventuais problemas de aprendizagem;
- aprendizagem deficiente de regras de comportamento;
- excesso de paternalismo e superprotecção;
- regimes alimentares incorrectos.

Convido-o a ler sobre cada uma destas causas num outro blog onde desenvolvo o tema num artigo com o título "A CRIANÇA INTRANQUILA". Clique aqui: www.hiperactividade.blog.com .

Nelson Lima, neuropsicólogo.